sábado, dezembro 31

2011

Engraçado, não me tinha apercebido, mas 2011 foi um ano muito bom!
Teve episódios menos felizes: despedi-me de dois animais: o gato Gordo e a cadela Mimi (a Mimi morreu-me nos braços), e ainda da Sancha, que desapareceu de casa. O meu irmão bateu com o carro, mas ficou bem e o pai pregou-nos um susto, mas felizmente foi superado.
Fora isso e no geral, foi muito positivo e enriquecedor.

Fui a alguns concertos: Ute Lemper, Super Bock Super Rock, onde Arcade Fire foi divinal.
Fui ao Teatro ver a peça do Bruno Nogueira e do Miguel Guilherme e assisti a um musical do Exército Russo.
Conheci gente nova e divertida logo no inicio do ano.
Voltei a jogar andebol e a estar com pessoas que já não via há muito tempo - o que me deu um enorme gozo, pois tive a satisfação e o gostinho de poder voltar a defender.
Passeei por Portalegre, Coimbra, Luso, e acampei na Praia da Galé. E fui a Paris, onde, depois de 10 anos, revi a minha madrinha e percebi que os afectos são imunes a latitudes ou longitudes. Adorei Paris.
Mudei ligeiramente de visual (entretanto já estou a precisar de novo corte).
Vi algumas séries novas : Os Pilares da Terra, Game of Thrones, Downton Abbey, e The Killing.
Passei a saber usar blush e rímel.
Casou-se um primo. Voltei a vindimar nas vindimas do meu avô. E a minha irmã inaugurou a loja dela.
Ganhei peso e celulite, e continuo a ter acne semana sim, semana não, mas pelos vistos fiquei mais gira, e com mais estilo. Tanto que ao longo do ano, choveram elogios e tive até um professor de curso a fazer-se ao piso - um episódio que teve tanto de engraçado como de lisonjeador.
Descobri que sou telegénica e já há quem queira fazer de mim uma estrela cibernética! (Gente tão fofa, crente e inocente).
Fui finalmente à feira da ladra e a uma casa de fados.
Rendi-me ao vintage, descobri o olx, e passei horas em busca de quinquilharias na internet.
Tive aulas de dança no verão que me souberam pela vida.
Cozinhei um pouco mais do que em 2010. Experimentei alguns pratos diferentes também e fui a um Supperclub japonês, uma experiência diferente e engraçada.

Mas o mais importante de tudo: descobri o poder de desejarmos as coisas, de querermos algo com muita força e nos focarmos nessas mesmas coisas. Descobri o poder de atirar o barro à parede e ver no que dá. E dá bem, porque em 2011 tive um artigo meu publicado, impresso para a posteridade; mudei finalmente de trabalho - após ter começado o ano com alguns convites que não deram em nada; e aluguei a casa onde devo começar a viver brevemente. :)

Foi um ano de elogios e reconhecimento profissional. Eu diria antes, de potencial. Que me deixaram feliz e de coração muito quentinho.

Mas o melhor de tudo, é ter quem tenho ao meu lado!

Que venha de lá 2012. E que possa ser tão bom quanto este! ;)

sexta-feira, dezembro 23

Derrapagem Orçamental

Espalhei-me à grande este Natal. Não só comprei mais prendas do que era suposto, como gastei mais do que tinha planeado também. Mas não resisto. Viciei-me em dar coisas, e agora é um problema!

quarta-feira, dezembro 21

O Povo tem sempre razão



Ontem, pela primeira vez, entrei numa casa de fados. E com a ajuda do Francês Michel e do seu acordeão, descobri que sou verdadeiramente Portuguesa. Que me arrepio com o fado. Ou que com ele me rio também. Que gosto de um bom tinto, de uma boa azeitona, que sou doida por salada de polvo, e que defendo que molho vai bem com pão, que salivo por camarão com alho ou que me babo com morcela frita.

Viajei oceanos inteiros com simples acordes, e por mais estúpido que pareça, nalgumas músicas, quase que senti nas veias o cheiro a mar de Portugal. Não sei qual vai ser o meu destino, mas cada vez tenho mais a certeza que quero mesmo continuar a viver neste Quintal!

Sou Portuguesa carago!


domingo, dezembro 18

É Natal



E às vezes não é preciso muito para ser feliz.
A banda sonora certa, um copinho de tinto para mandar o frio embora, um cheirinho a bolo de chocolate a perfumar-nos a alma, um gato no colo, e amor ao nosso lado. Simples.

quarta-feira, dezembro 14



Ainda não sei muito bem explicar como nem porquê, mas estar nesta empresa a entrar às 9h15 e a sair das 19h para a frente (até agora o máximo foi às 22h) tem-me custado muito menos do que quando estava no meu ex-trabalho, onde entrava às 9h30, tinha hora e meia de almoço e saía quase sempre as 18h30.

terça-feira, dezembro 6

O meu tempo anda a evaporar-se. Os dias desfazem-se em horas, as horas em segundos. E puff. Quando dou por mim, passou-se uma semana e não sei o que fiz.

sábado, novembro 19

Valha-me a Santa Padroeira das Guarda-Redes

Estou a minutos de ir jogar Andebol. Não pego numa bola há 10 anos.
Não sei se vou saber voltar a pegar numa. Driblar vai ser de rir e chorar por mais, e quando chegar à hora da verdade, em que vou ter de voltar a defender uma baliza, estou a pensar optar por uma de duas técnicas: dar gritos histéricos para confundir as adversárias, ou fugir da baliza a quatro pés.

Afinal, já não tenho as minhas joelheiras, cotoveleiras e caneleiras - coisas que davam muito jeito quando jogava e evitavam que chegasse a casa toda negra, quando tinha de defender remates de matulonas que se dirigiam para mim em grande velocidade.

Mas lá vou eu. Munida apenas de umas meras calcitas de algodão. A rezar para não ficar com um olho negro ou coisa que o valha.

Depois há o balneário. Ainda não sei se tomo lá banho ou não. Mas confesso que não estou com muita vontade de voltar a ver aqueles pipis todos. Uma data de rabos ao léu de todas as formas e feitios. Os pipis , esses, a última vez que os vi, ainda não havia cá a moda da depilação total, estavam todos devidamente ornamentados com fartas e artísticas pintelheiras. Muitos, não tinham sido sequer estreados e a palavra parto era coisa que não fazia parte do nosso léxico pipipal.
Estávamos todas na flor da idade, agora já quase todas são mães, todas nos queixamos de dores, e usamos o último modelo de celulite. Enfim.

Uma coisa é certa. Por mais aquecimento que faça, não vou conseguir voltar a fazer isto (que tanto gozo me dava):



Bons tempos.

sexta-feira, novembro 18

Esta semana fui com o carro ao mecânico para a Revisão. E pela primeira vez na minha vida não me trataram como alguém que, por ser mulher, automaticamente não percebe nada de carros (o que no meu caso até não anda tão longe da verdade como isso), e falaram comigo de igual para igual.

Era vê-los virarem-se para mim e dizerem: os sinoblocos para aqui, os sinoblocos para ali. E eu, calada. Perguntavam-me, em tom retórico, "ah isso é problema com os sinoblocos? pois, já anda a fazer muito barulho não é?" Que isto é do do modelo, Polos e Ibizas dão muitas chatices a este nível, e yada yada. E eu que sim, sim, sino- coiso fazem muito barulho. Nada de dar parte fraca. Respondia. Ui os sino-coiso, isso cada vez que viro, pimba, barulheira na certa, é isso, é isso. Ali, toda contente a fazer um brilharete.

Gostei muito. Super bem tratada. A falarem-me de filtros e de siglas que sabe Deus nossos senhor o que quereriam dizer, e eu sempre muito atenta a acenar.

O dono da oficina nem parecia um mecânico. Falava bem, todo bem vestidinho, e não vi um único calendário de gajas descascadas. Zero. Só quadros com fotos artísticas de carros. Mais nada.

Agora, se também têm um Polo ou um Ibiza e não sabem o que são os sinoblocos, não temam. Aqui ficam eles, os sacanas. Se andardes a ouvir muito barulho ao nível das rodas, ide tratar-lhes da saúde.

quarta-feira, novembro 16

O tanto que eu gosto disto



Sou preguiçosa. Não descubro músicas. Elas é que me descobrem, vêm ter comigo, insinuam-se aos meus ouvidos. Nalguns casos, é fatal, deixo-me ir no embalo e fico apanhada.
Pumped up kicks foi um desses casos.

Depois dei comigo a ver o videoclip e descobri o Cubbie Fink, baixista da banda. E pronto, para além de preguiçosa sou uma fácil. Sou fiel ao cliché: "gajas vs homens que tocam guitarra e afins". Mas por estas fotos, creio que se percebe porquê.


segunda-feira, novembro 14

Que dia maravilhoso. Passado inteiramente de pijama. A surfar pela net, a descarregar fotografias de Paris, e a descobrir objectos e cartazes retro para o meu futuro lar.
Para terminar em beleza, vou preparar um belo capuccino, um bom par de torradas quentinhas e alugar um daqueles filmes parvos que sabe sempre bem ver.

quinta-feira, outubro 27


Ando fascinada com as quinquilharias que tenho encontrado no olx.
Ando por lá à procura de coisas retro que dêem para recuperar: sofás, poltronas, aparadores, mesas de cabeceira, you name it. A parte mais difícil tem sido convencer o meu homem, que aqueles pedaços de madeira mal amanhados têm potencial. Mas eu dobro-o!

terça-feira, outubro 25



Agora que trago almoço e ando de comboio, vejo-me a braços com a difícil tarefa de ter de arranjar um saco fashion e prático para transportar a comidinha. Até porque a Zara e afins não me pagam a publicidade que lhes faço e sacos de papel desse tipo são do mais pobre e sem graça que há - já para não falar que em dias de chuva são mesmo para esquecer.
Tenho de investigar. Este aqui da foto é bem porreiro, mas creio que não se vende em Portugal.

segunda-feira, outubro 24



E pronto. Passados 3 anos, voltei aos comboios. As estações estão cada vez mais modernas, e com cada vez menos piada. Já não temos Pica para nos revistar o tédio. A música e o ambiente desapareceram atrás dos grandes vidros grafitados. Mas é bom saber que algumas coisas nunca mudam: continuo a ter vergonha de mostrar a minha fotografia do passe e a perder comboios atrás de comboios.

quinta-feira, outubro 20


foto daqui

É tão bonito ouvir um homem dizer que tem orgulho na sua mulher. A mim, é o maior elogio que me podem fazer.

terça-feira, outubro 18

Esta Lisboa que eu amo


Sexta feira à noite rumou-se ao Decadente - restaurante do grupo The Independente Hostel & Suites. E foi tudo em bom. O espaço, a comida, os empregados simpáticos, o preço, as vistas e a companhia. Sem dúvida para repetir - se o Orçamento de Estado deixar, claro.

Entretanto, uma nota para os copos de vinho que aparecem na foto e que não podia deixar de referir pela sua excelente qualidade, porque eu consegui bater lá com a cornadura - don't ask - e eles não só não se partiram como ainda me deixaram com um galo super sexy na testa. Um must.

quinta-feira, outubro 13

Tive o telemóvel do meu namorado dois dias só e abandonado lá em casa, em meu poder, e não lhe deitei o olho uma única vez. Nada. Intacto. Não cusquei mensagens, chamadas recebidas ou efectuadas, zero. Sou uma menina muito bem comportada.

quinta-feira, outubro 6

É por isto que eu vou ao Pingo Doce

Empregado fofinho no final de passar todos os artigos:
- Vai desejar um café?
Café?! Saco! Desculpe, saco. Vai desejar um saco?

sexta-feira, setembro 30

Eis aqui a versatilidade de uma lata de atum no seu expoente máximo


Segunda-feira jantei atum em molho de tomate com esparguete
Terça-feira jantei uma tosta de atum
Quarta feira almocei canneloni de atum
Quinta feira jantei tortilha de atum
Sexta feira almocei os restos da tortilha de atum

Que posso eu dizer. Sou uma pessoa que gosta de atum.

quarta-feira, setembro 28



A boa notícia é que tenho comido salada todos os dias. A má, é que a acompanho com molho cocktail.

domingo, setembro 25

As Jóias da Família

Desde ontem que me ando para aqui a pavonear com uns brincos que pertenceram à bisavó do meu mais que tudo. Salvei-os de se tornarem numa máquina de lavar loiça - o destino que espera as restantes jóias que estavam no saco e que serão vendidas muito em breve.

É um bocado estranho, isto de andar a mexer nos pertences de quem já faleceu e que nunca conheci. Contudo - e podem chamar-me de antiga, mas eu gosto daquele conceito de jóia de família. A jóia que passa de geração em geração, uma jóia especial que o noivo oferece à noiva, e que depois seguirá para a filha ou filho que ambos terão e etc, etc. Pelo que quis guardar qualquer coisa do passado, em vez de transformar tudo nalguma coisa cujo único brilho que terá no futuro, se ficará a dever ao uso de Calgonit. Piroso? Sim, mas fofo.

No que me diz respeito, prometo tratar estes brincos com o mesmo carinho com que já trato "outras" jóias da família. Jóias essas que para muitos, poderão não ser tão valiosas, mas cujo valor sentimental, é inestimável para mim.

domingo, setembro 18

Hang your clothes in here



Advertência:
Se é manequim, não leve a sua profissão tão a sério. Coma pastéis de nata. A sua saúde agradece.

quarta-feira, setembro 14



Fui ver uma casa hoje. E descobri que dou-me mal com isto de ser pobre.
A casa cheirava a bufas frescas. A vista era interessante: ora para as traseiras da casa ao lado, ora para a casa da senhoria, na porta em frente. Por baixo, vivia uma octogenária, por isso, a menos que a senhora fosse surda, aquela parte do sexo à bruta e tresloucado por toda a casa teria que ficar automaticamente posta de lado.
Mas nem tudo é mau. A senhoria falava inglês e se eu quisesse podia manter os armários inexistentes da cozinha, meio frigorífico, um microondas, fogão e máquina de lavar. Coisa com pedigree.

Se ao menos eu gostasse dos apartamentos amplos em São Marcos do Cacém...

segunda-feira, setembro 5

There are many ways to say I love you...

Na mesma semana, o meu namorado ajudou-me a levar a minha cadela - que morreu nos meus braços, para ser cremada, e tratou de mim, colocando-me toalhas humedecidas no rosto, antes e depois de eu vomitar na casa de banho dele.
Este tipo de palavras ficarão para sempre.

sexta-feira, setembro 2

Um grande bem haja a todos os trolhas

A pessoa já está naquela fase que só depois da cara lavada, rosto besuntado em base e blush é que tem coragem de olhar para o espelho de luz acesa. Uma fase em que sabe -  aos 27 anos, que aos 32 será careca. A dita fase para que todos nos alertaram, a fase em que se engorda só de olhar para um bolo fofinho de chocolate. Mas mesmo assim, que remédio,  sai para a rua e enfrenta o mundo. E eis que surgem eles: os trolhas. E com uma simples frase, um simples piropo, ajudam-nos a esquecer as vicissitudes da vida que nos rebentam na cara em forma de borbulhas. 

Passei por eles e eis que oiço:
" Sim senhora...!"
"Olha, parece aquela dos laços de sangue, a mázona.."











Tão fofinhos.

quinta-feira, agosto 25

Variações



Estou de férias, e com o pior humor dos últimos tempos. Estamos em Agosto e eu sinto frio, não há sol. A minha casa está longe de ser um lugar para se retemperar forças e estar-se nas calmas, porque embora ninguém me chateie propriamente ou persiga, está sempre caótica, a minha avó está hiper, mega chata e a minha mãe está a precisar urgentemente de férias. Não me apetece de todo voltar ao trabalho que tenho.
Basicamente, em Setembro queria uma reentré nova. Numa realidade diferente e auspiciosa. Algumas coisas sei que posso fazer, que dependem de mim, já outras...

quarta-feira, agosto 24

"Olha, já fiz cócó!"

Não, esta frase não é dita por uma criança de 2 anos a aprender a usar o penico. Uma criança que apenas por dizer tal frase, seria capaz de receber aplausos por conseguir dirigir-se à retrete, baixar a fralda, acertar no buraco e pontuar com 2 ou 3 cagalhões.

Tão pouco é proferida por uma qualquer pessoa, há dias a sofrer com prisão de ventre, e que ao sentir, finalmente, as suas entranhas soltarem-se, exclama com alivio e alegria, deixando saber ao mundo o peso que lhe saiu de cima.

Esta frase é dita pela minha avó, que tem mais 80 anos em cima. Na verdade, desde que teve o AVC que os assuntos mais importantes no que respeita a minha avó, são assuntos de merda. Que quer ir fazer cócó, que não consegue fazer cócó, que hoje ainda não fez cócó, que se está a espremer mas não sai nada, ou, em glória, e finalmente o, "olha, já fiz cócó."

À criança, damos um beijinho, ao amigo em dificuldade, quiça uma palmadinha nas costas, à minha avó...damos o baza dali para fora.

domingo, agosto 14

"I've Carried a watermelon"



Depois de anos a procrastinar, inscrevi-me finalmente numa escola de dança para um curso de verão, com o objectivo de ter continuidade com inscrição regular já agora para Setembro.

Isto da dança é uma espécie de unfinished business para mim. Primeiro foi a frustração da minha mãe nunca me ter posto no ballet, e depois houve esse pequeno cataclismo na vida de toda a jovem nascida nos anos 80: o Dirty Dancing.

Já levo 27 anos, mas ainda acho que um dia destes acordo e sou tal e qual a "Baby" que era um pãozinho sem sal, e mesmo assim aprendeu a dançar que foi um mimo. E como bónus, ainda levou o Patrick Swayze para casa (não percebo como é que esta mulher nunca fez mais nada de relevante, porque alguém que consegue aguentar aquele rodopiar de ancas do Patrick Swayze sem desmaiar, perder a força nas pernas ou ficar com afrontamentos é obviamente uma actriz muito séria, compenetrada e profissional).



segunda-feira, agosto 8

terça-feira, agosto 2

Turista Acidental
























Este sábado que passou aproveitei uma ida ao cabeleireiro para ser turista na minha própria cidade. Maneiras que depois da gadelha aparada, fui visitar a Igreja de São Vicente de Fora, conheci finalmente a Feira da Ladra e no fim fui visitar a Sô Dona Amália, que tinha feito aniversário havia poucos dias.

Eis o que me apraz dizer sobre o Panteão Nacional: bem sei que não é de bom tom, e os mortos precisam da eternidade para descansar, mas, é de mim, ou aquele Roof Top dava para fazer umas Sunset Partys, assim, vá, do além?

segunda-feira, julho 11

Sou uma senhora


Como cair na banheira com classe:

1) ao perceber que está a escorregar, agradeça mentalmente a Deus por estar num Resort de 5 estrelas cujas banheiras têm cortina ao invés de vidro, e assim ter conseguido evitar aquele efeito, muito desagradável, e tremendamente inestético de ter a cara espalmada contra uma superficie;

2) já que vai cair e ainda vai demorar um bocado a reerguer-se para continuar o seu banho retemperador, tenha o bom senso de pensar no ambiente e desligue a torneira ao mesmo tempo que cai. requer alguma destreza, é verdade, mas é perfeitamente fazível;

3)não seja mal educado. lá porque vai bater com as costelas no bordo da banheira, testar até que ponto consegue dobrar os dedos dos pés e mudar o tom de pele dos seus joelhos, isso não é razão para praguejar ou dizer asneiras. faça o oposto e surpreenda toda a gente, com repetidas e sonoras gargalhadas, porque rirmo-nos de nós próprios é sempre revelador de uma imensa inteligência;

4)por fim, mantenha o pedigree que o caracteriza e ao chamar por auxilio a sua cara-metade, resista à tentação de usar diminuitivos ou nomes carinhosos pronunciados quase sempre em tom de lamúria ou choro - sinónimo de auto-comiseração, e utilize antes num tom calmo e sereno o nome completo da pessoa em questão. Por exemplo se o seu namorado se chama José, em vez de Zé, Zézinho, ou amor deverá dizer: "óh José, veja lá que parece que acabei de cair, não me pode vir aqui dar uma mãozinha?".

E é isto. Afinal lá porque vão dar consigo de rabo para o ar, e pernas e braços desconjuntados não significa que você tenha de perder a compostura, não é verdade?

domingo, julho 3

B.muu



Campo de Ourique é um bairro especial. Acho que o preço a pagar para quem lá vive e pode usufuir de tanta criatividade e originalidade concentrada por metro quadrado, é o caos no estacionamento.

Já tinhamos tentado fazer uma incursão a este novo espaço - que apesar de vender hambúrgueres, dificilmente pode ser considerado um talho. Mas, quando lá fomos - fruto de tanta exposição nos media, o stock tinha esgotado e fomos para casa de mãos a abanar.

Ontem voltámos lá e enchemos o saco com estas iguarias. E o resultado salda-se muito positivo. Provámos uns quantos e passaram todos com distinção.

Para quem gosta de azeitonas, recomendo o "Grécia". Bon appetit.

domingo, junho 26

Estou a precisar de levar uma carga de porrada. Mas nos entretantos faço festinhas aos ouvidos com a ajuda de música como esta.

sábado, junho 11



A pessoa envelhece e é isto. Começa a ir aos Santos sem ser na noite em que mais se "aperta, aperta", com todos. Levam-se menos encontrões e pisadelas. Há bailarico, sardinha, bifana e sangria na mesma. O espírito é o mesmo. Nessa noite não há advogados, engenheiros ou quejandos, fala-se com todos de igual para igual, fazem-se amigos de uma noite a dançar o Apita o Comboio do Quim Barreiros. E andamos felizes.
A repetir já para a semana.

segunda-feira, maio 23

Aos Senhores da Pull & Bear

Prezados Senhores designers da Pull & Bear, de quem eu tanto gosto. Queiram explicar-me como é que eu me dirijo ao provador com umas calças 36 - já aceitei (mal) que não consigo vestir o 34, e ainda assim as ditas cujas não me passam nas ancas??? estarão por um acaso a insinuar que agora passei repentinamente do 34 para o 38?? pois, quer-me cá parecer que não. Corrijam lá isso, se faz favor, e amigos como dantes.

quarta-feira, abril 13

A taberneira recomenda...



Maya - restaurante nepalês em alcântara. boa comida. barato. e gente simpática.

sábado, abril 2

Desde que a minha mãe se reformou que parece não saber fazer mais nada senão pensar em formas de gastar o dinheiro que não tem.
Primeiro achou que eu estava a precisar de um colchão novo. Não estou. Depois quis comprar uma aprelhagem para ouvir as músicas dela, quando já tem uma na sala à qual não dá uso. Depois, em conversações com o meu irmão achou que bom mesmo era arranjar antes um leitor de mp3. A seguir, acordou um dia e decidiu que ia mandar restaurar um móvel de 1900 e troca o passo ao qual nunca prestou muita atenção. No outro dia, convidou-me para ir com ela para um monte qualquer algures no alentejo fazer um curso de jardinagem - socorro. Agora comprou uma máquina fotográfica para, segundo ela, poder tirar fotografias às flores dela e às que encontra para aí no campo. Hoje falou-me num Ipad. Diz que é o futuro e ela não quer perder esse comboio. Mas enquanto ele passa e não passa, hoje encontrei na mesinha da sala este livro - recomendado pela Oprah:


Tudo bem. Acho que sim. Só não sei é quem é que me vai dar sabedoria, e ajudar a garantir a minha saúde fisíca e emocional durante a mudança dela.

domingo, março 20

Epifanias matinais


eu de manhã: sol, gatos a fazer ron ron, comidinha, sossego, pouco dada a muita conversa, mas ainda assim, amigável.

a mãe: muito barulho, muita conversa, muito toque, muitos beijinhos ao pé da orelha (que eu detesto), e não come nada, está só ali na cozinha a fazer barulho, mexe em panelas, no lava-loiça, etc.

Resultado: não combinamos lá muito.

A descoberta: enquanto tentava gozar o meu momento zen, concentrar-me só nos passarinhos, esforçando-me para não ouvir uma única palavra do que a minha mãe estava a dizer, deu-se a descoberta.

Basta que o meu pequeno almoço seja composto por tostas e enquanto mastigo, não oiço uma palavra do que me dizem. é perfeito.

quinta-feira, março 17



Some people watch porn. i watch houses where I'll never get to live.



domingo, março 6

Sobre o carnaval



Os corpos de mulheres como esta assustam-me. Isto está longe daquilo que considero um corpo sexy e bonito. O rabo faz lembrar o de um hipopótamo e as coxas parecem que vão explodir.




E depois há o silicone...que na maior parte dos casos, faz tudo menos tornar mais bonito o peito das mulheres que o carregam.

terça-feira, fevereiro 15

Enxoval- strike 1



Hoje fui mais o esposo ao Ikea. E só por causa das coisas aderimos ao Ikea Family.
Já cá cantam edredon + capa de edredon + saladeira + raspador de queijo. Sim, não é uma lista com muito sentido. Mas é uma lista.




terça-feira, fevereiro 8



Em situações de trabalho, dizer sim é infinitamente mais fácil do que dizer não.

segunda-feira, janeiro 31

Enxoval

bem sei que essa coisa de se fazer enxoval já não se usa. mas estamos em crise desde 1139 e uma pessoa é pobre. vai daí decidi trazer para casa esta fofura de arca ou baú - como preferirem, e enchê-la até ao final do ano com tudo o que conseguir: toalhas, lençóis, loiça, almofadas, cortinados, o ikea, a zara home, a loja do gato preto, e um apartamento em Lisboa.
depois é so pegar no meu manel e ver como é que o amor coabita com o "deixaste o queijo fora do frigorífico", o "já viste como deixaste a casa de banho", ou o não menos importante, " vai apanhar as cuecas da corda que começou agora a chover".

terça-feira, janeiro 25

As coisas que tenho de ouvir II .........

Ontem, numa perfumaria, uma consultora falava de um medicamento para o acne e desabafava assim sobre ele: "pois, esse medicamento é muito agressivo, seca-nos tudo. seca-nos a pele, os olhos, até a nossa passarinha nos seca."

Nesse momento, achei por bem olhar para o tecto, só para me certificar que não estava nenhuma luz fundida.

segunda-feira, janeiro 24

As coisas que tenho de ouvir...

Ao passarmos ao pé do poster de promoção do novo filme da Natalie Portman - Sexo sem Compromisso. Desabafa assim o meu namorado: "não consigo ver esta mulher com outro homem"!

Coitado. Como se alguma vez ele tivesse tido alguma coisa com ela. Ou como se algum dia viesse a ter!

Tss, tss. ..